Oitenta municípios já decretaram situação de emergência no Rio Grande do Sul devido à estiagem que castiga várias regiões do estado desde dezembro do ano passado. Segundo levantamento da MetSul Meteorologia, o fenômeno afeta toda a produção rural, mas os efeitos estão sendo mais sentidos no abastecimento de água, já que oito cidades têm esquema de racionamento.

Segundo o diretor-geral da empresa, Eugênio Hackbart, as regiões gaúchas mais atingidas atualmente pela falta de chuva são a campanha, centro e fronteira oeste. Ele disse que nos estados do chamado Conselho de Desenvolvimento do Sul (Codesul) – formado também por Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul ? mais de 350 municípios recorreram à medida (situação de emergência) por causa da seca de 2006.

O inverno, que começou oficialmente ontem (21), chegou com forte chuva em Porto Alegre ? onde causou estragos em diversos bairros ? mas sem previsão de precipitações que possam amenizar a estiagem no estado. Segundo a meteorologia, a situação deve permanecer crítica em algumas regiões por causa da pouca distribuição de chuva e das temperaturas acima do normal que serão registradas durante a estação do frio.

"A chuva ficará abaixo da média histórica até o final de julho", garantiu Hackbart. Segundo o meteorologista, a partir do início de agosto, o volume de precipitação ficará acima da média até o encerramento do inverno, em 23 de setembro.