O estado do Paraná ganhou ontem mais duas unidades de conservação (UC) na Floresta Atlântica: a Reserva Biológica das Araucárias, com cerca de 14.919 hectares de Floresta Ombrófila Mista, cobrindo parte dos municípios de Imbituva, Teixeira Soares e Ipiranga, e o Parque Nacional dos Campos Gerais, com 21.286 hectares, com formações de campos e florestas, cobrindo os municípios de Ponta Grossa, Castro e Carambeí. Junto com a Reserva Biológica das Perobas, com 8300 hectares de Floresta Estacional Semidecidual, cobrindo parte dos municípios de Turneiras d?Oeste e Cianorte, criada na semana passada, as três áreas protegidas representam um acréscimo de 15% no conjunto de unidades de conservação federal de uso restrito no Estado do Paraná.

A criação destas unidades de conservação está em andamento desde o fim de 2003, quando uma força-tarefa coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente e pelo IBAMA e formada por instituições públicas de pesquisa e representantes da sociedade civil, com especialistas de formação multidisciplinar, percorreu 41 mil quilômetros dos dois estados.

?Para o Paraná, a criação destas áreas é um salto qualitativo na proteção de ecossistemas seriamente ameaçados de extinção, e responde positivamente aos anseios de boa parte da população brasileira que compreende a importância da conservação da biodiversidade, além de provocar tanto o poder público quanto o setor privado para incentivar a criação de outras unidades de conservação?, complementa Marino Elígio Gonçalves, Superintendente do IBAMA/PR.

O anúncio no Diário Oficial da União dessas unidades de conservação coincide com o lançamento do Florar, um programa desenvolvido por um consórcio de ongs que visa a conservação e recuperação da Floresta com Araucária em regiões do Paraná e Santa Catarina, que acontece hoje no Jardim Botânico, no espaço Frans Kreicberg, às 19:30.

Estão previstas, ainda, a criação de mais duas unidades de conservação no Paraná, também incluídas nos trabalhos da força-tarefa.