A Embraer confirmou oficialmente nesta quinta-feira (19) que está realizando estudos para o possível desenvolvimento de uma aeronave de transporte militar. Em nota, a empresa afirma que, caso seja efetivamente lançado, o Embraer C-390, como tem sido chamado, será o avião mais pesado já produzido pela empresa e terá capacidade para transportar até 19 toneladas de carga. O novo projeto incorporará várias soluções tecnológicas desenvolvidas para o jato comercial 190.

O presidente da Embraer, Maurício Botelho, estimou em US$ 500 milhões os investimentos para desenvolvimento do novo jato. Apresentado como jato de transporte militar de médio porte, o C-390 possuirá cabine ampla, equipada com rampa traseira para transportar os mais variados tipos de carga, incluindo veículos blindados sobre rodas, e dotada de sistemas de embarque e desembarque.

Segundo a empresa, a aeronave poderá ser reabastecida em vôo e também utilizada para reabastecimento, fornecendo combustível a outras aeronaves, em vôo e em solo. A cabine de carga permitirá configuração para o transporte de feridos ou doentes, em missões de evacuação médica. O C-390 contará também com a tecnologia "fly-by-wire", que diminui a carga de trabalho dos pilotos, aumentando a segurança, e a operação em pistas curtas e não pavimentadas, sem a necessidade de apoio no solo.

No comunicado da Embraer, o vice-presidente executivo para o mercado de Defesa e Governo, Luiz Carlos Aguiar, diz que análises indicaram que existe um mercado potencial para este tipo de aeronave em nível global, especialmente na substituição de modelos antigos, que atingirão o fim de suas vidas úteis na próxima década.

Segundo o executivo, a Embraer está agora aprofundando os estudos e buscando o melhor uso das soluções tecnológicas implementadas na família 170/190, que serão adaptadas às necessidades específicas dos operadores militares.