A CPI dos Sanguessugas tomou nesta quarta-feira (2) o depoimento de 7 de 29 assessores de parlamentares convidados para explicar depósitos em suas contas bancárias feitas pela família Vedoin, dona da Planam, principal empresa da máfia das ambulâncias. Segundo o sub-relator da Comissão, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), os depoimentos deixaram claro que o esquema é grandioso, apesar de a maioria dos assessores negar ter recebido propina da família Vedoin.

"Teve apenas um depoimento em que a assessora disse que recebeu o dinheiro e repassou para o deputado. Os outros disseram que o dinheiro era fruto de trabalho de consultoria", disse Aleluia. Ana Alberga Dias, assessora do deputado Vanderlei Assis (PP-SP), contou à CPI que os Vedoin depositaram dinheiro em sua conta bancária por determinação do deputado. Vanderlei Assis contou para sua assessora que o dinheiro referia-se a quadros que ele pintou e havia vendido para integrantes da família Vedoin.

"Ninguém trouxe uma história plausível", observou Aleluia.