Rio – As ações da Petrobras registraram forte recuperação em março na Bolsa de Nova York, mas continuam abaixo das cotações observadas no final do ano passado. Em relação ao final de fevereiro, quando o mercado internacional viveu forte queda após o ?susto? da Bolsa de Xangai, os American Depositary Receipt (ADRs) da Petrobras negociados em Nova York já subiram 13,20%, em dólares, só ficando abaixo dos 13,51% da Marathon, uma pequena petroleira norte-americana, que está ampliando os seus investimentos na África. Os ADRs são papéis por meio dos quais uma empresa estrangeira pode negociar suas ações nos EUA. A valorização da Petrobras em março ficou muito acima de alguns gigantes do setor, como a Exxon (7,65%) e BP (6,30%) no mesmo período.

Entre os papéis de 14 petroleiras listadas na bolsa norte-americana, a que registrou menor valorização no período foi a Shell, com aumento de apenas 3,43% desde o final de fevereiro e com queda de 4,50% em relação ao final do ano passado. Também a ConocoPhillips registrou comportamento discreto nas últimas semanas, valorizando-se 4,36% em relação ao final de fevereiro e queda de 4,67% em relação ao final do ano passado.

O setor foi beneficiado nas últimas semanas pela valorização dos preços do petróleo, impulsionados pela crise entra a Inglaterra e o Irã, que só aliviou ontem. A espanhola Repsol, com vários investimentos na América Latina, registrou valorização de 8,41% nas últimas semanas (final de fevereiro) e acumula variação de 0,82% desde o final de 2006.

Do final de dezembro de 2000 até hoje, as ações da Petrobras já subiram 441,24%, em dólares. Nesse mesmo intervalo, a maior empresa do setor no mundo (Exxon) registrou valorização de 104,56%, enquanto as ações da British Petroleum subiram 68,48%. A Shell, outra gigante internacional, registrou variação de apenas 49,56%. Outras petroleiras que tiveram grande valorização nos últimos seis anos foram a Occidental (384,77%) e a Marathon (345,99%).