A utilização da capacidade de operação (UCO) da construção cresceu em abril, informou nesta quinta-feira a Confederação Nacional da Indústria (CNI). No mês passado foi apurado índice de 72%, ante 70% em março. O UCO mede volume de recursos, mão-de-obra e maquinário utilizados pelas empresas. Os dados são da pesquisa Sondagem Indústria da Construção. A pesquisa mostra que a alta envolveu tanto as pequenas empresas (de 63%, em março, para 66%, em abril) como grandes empresas (73% para 75%), com estabilidade nas médias (70%).

Conforme a Confederação, houve crescimento também no nível de atividade efetivo em relação ao usual, indicador que ficou em 49,9 pontos em abril, ou seja, quase atingindo a linha divisória de 50 pontos. Isso significa atividade praticamente igual ao usual para a mês, ou seja, uma situação neutra. Conforme a CNI, o indicador varia de zero a cem. Valores acima de 50 são bons, indicando aumento, atividade acima do usual ou expectativa positiva. Em março, o indicador de atividade efetiva em relação ao usual ficou em 48,5 pontos.

Enquanto o UCO apresentou bons resultados em todos os portes da indústria da construção, o mesmo não ocorreu em relação ao nível de atividade em relação ao usual. Apresentaram atividade abaixo do usual em abril as empresas pequenas (46,6 pontos) e médias (47,7 pontos). Ficaram acima do usual as empresas grandes (52,4 pontos). “O início de ano foi fraco para o setor e a recuperação observada em abril está sendo puxada pelas grandes”, afirmou o economista da CNI Danilo Garcia.

Outro dado divulgado pela pesquisa envolve o indicador sobre o nível de atividade em abril, que alcançou 50,6 pontos, um pouco abaixo dos 51,5 pontos registrados em março. Já o indicador do nível de empregados registrou 51 pontos em abril, frente 51,7 pontos em março.

Futuro – A sondagem apurou também que em maio as expectativas do setor da construção para os próximos seis meses continuam positivas, com todos os indicadores acima da linha divisória dos 50 pontos. A expectativa em relação ao nível de atividade em maio alcançou 58,7 pontos (ante 60,3 pontos em abril). Já o indicador relativo a novos empreendimentos e serviços ficou em 58,6 pontos este mês (60,5 pontos, em abril). A expectativa de compras de insumos e matérias primas alcançou 58,6 pontos este mês (58,8 pontos, no mês anterior). O indicador de expectativa quanto ao número de empregados marcou 57,4 pontos em maio (58,9 pontos, em abril).

Na elaboração da pesquisa, a CNI consultou 470 empresas – 169 pequenas, 197 médias e 104 grandes – entre os dias 2 e 15 de maio. A Sondagem Indústria da Construção é realizada em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).