A Usiminas apresentou prejuízo ajustado de R$ 139 milhões no terceiro trimestre do ano, saindo de lucro líquido de R$ 289 milhões no mesmo período de 2018. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no critério ajustado soma R$ 441 milhões, queda de 37% sobre os R$ 703 milhões do terceiro trimestre do ano passado, com margem de 11%, recuo de sete pontos porcentuais. A receita líquida ficou estável, em R$ 3,850 bilhões.

O volume de vendas de aço caiu 7% para 1,033 milhão de toneladas; e o de vendas de minério de ferro cresceu 39%, para 2,453 milhões de toneladas.

O resultado financeiro do período ficou negativo em R$ 445 milhões, 231% maior que há um ano e 431,0% acima do trimestre anterior, devido a câmbio (perdas cambiais de R$ 286 milhões no terceiro trimestre contra ganhos cambiais de R$ 17 milhões no segundo), correção sobre provisões para demandas judiciais, totalizando R$ 114 milhões no 3º trimestre, aumento de R$ 68 milhões nas despesas com comissões sobre financiamentos em função da operação de emissão de títulos representativos de dívida concluída em julho.

Estes itens foram parcialmente compensados por reconhecimento de correção monetária sobre créditos a receber da Eletrobras no montante de R$ 75 milhões e reconhecimento de juros relativos ao processo de exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins de R$ 57 milhões.