fila231204.jpg

As longas filas podem estar
com os dias contados.

As longas filas de caminhões para descarregar grãos no Porto de Paranaguá (PR), durante o pico da colheita da safra brasileira, estão com os dias contados. Na próxima semana, o governo federal assina protocolo de intenções com o governo do Paraná para integrar o complexo de armazenamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) de Ponta Grossa ao Porto de Paranaguá. Com a medida, a unidade da estatal, com capacidade estática para 420 mil toneladas, será transformada em um terminal retroportuário avançado.

"Isso vai ajudar a desobstruir o trânsito de caminhões nas imediações de Paranaguá", assinala o presidente da Conab, Jacinto Ferreira. Segundo ele, a estatal e o governo paranaense pretendem começar ainda na atual safra (2004/05) um projeto-piloto de integração da unidade armazenadora de Ponta Grossa ao porto. Pelos cálculos dos técnicos da empresa, o complexo de armazenamento de Ponta Grossa pode receber cerca de R$ 2 milhões de toneladas de grãos ao longo de um ano.

A transformação da unidade armazenadora em terminal retroportuário avançado vinha sendo analisada pela Conab desde o início do atual governo. Só agora, porém, a proposta começou a se materializar. Na semana passada, representantes do governo do Parará estiveram em Brasília discutindo o assunto com a diretoria da estatal. A empresa já criou um grupo de trabalho para elaborar o protocolo de intenções.

A unidade de Ponta Grossa funcionará como um armazém alfandegado, diz o diretor de Gestão de Estoques da Conab, Eledil Bessa. Nele, serão desembarcados os carregamentos de grãos que sairão por Paranaguá. Os produtos serão classificados e liberados para exportação no próprio local. Depois, seguirão por ferrovia até Paranaguá. "É possível ajustar o fluxo dos vagões à chegada dos navios, o que ajudará a desafogar o movimento no porto." Segundo Bessa, é necessário fazer algumas melhorias na plataforma do complexo de Ponta Grossa e fazer novos desvios ferroviários.