A União Europeia elevou sua previsão para o crescimento da região este e no próximo ano para 1,9%, de 1,8% na estimativa anterior.

Em relatório divulgado nesta quinta-feira, a entidade também revisou para cima sua previsão para as dezenove economias que utilizam a moeda única de 1,6% para 1,7% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano. Para 2018, a estimativa se manteve em 1,8%.

O documento trimestral chega logo após a vitória de Emmanuel Macron na França, e os dirigentes saudaram o arrefecimento das tensões políticas na região.

“A forte incerteza que caracterizou os últimos doze meses pode estar começando a desacelerar”, afirmou Pierre Moscovici, comissário europeu para assuntos econômicos e financeiros. “A Europa está entrando em seu quinto ano consecutivo de crescimento, apoiada por uma política monetária acomodativa, confiança robusta dos consumidores e das empresas e um comércio mundial crescente.”

Apesar do arrefecimento de parte dos riscos, desenvolvimentos geopolíticos ainda representam ameaças à recuperação da região, prosseguiu Moscovici, entre elas o processo de separação do Reino Unido, o ajuste econômico da China e potenciais medidas protecionistas criadas pelo governo dos Estados Unidos.

No fronte da inflação, o relatório estima que a alta dos preços deve se aproximar temporariamente da meta de 2,0% do Banco Central Europeu (BCE), mas desacelerar à medida que o efeito do petróleo mais caro se dissipa.

A previsão para a inflação na zona do euro no fim de 2017 caiu de 1,7% para 1,6%. Para 2018, ela foi mantida em 1,8%. Isso deve manter a política monetária expansionista do BCE basicamente inalterada, afirmou Moscovici. Fonte: Dow Jones Newswires.