A desaceleração no crescimento da receita bruta nominal dos serviços em outubro foi causada, sobretudo, pelo crescimento menor dos setores de transportes e comunicação, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os serviços cresceram 5,2% em relação a outubro de 2013, após uma alta de 6,4% em setembro. “Esse mês foi atípico, por causa do problema das eleições”, lembrou Roberto Saldanha, técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

O resultado de 3,1% registrado nos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (inferior às taxas de 6,5% de setembro e 3,2% de agosto) combinado com o resultado de 2,1% registrado nos serviços de informação e comunicação (inferior à taxa de 2,7% de setembro e superior à taxa de 1,7% de agosto) foram os fatores que mais contribuíram para que o resultado do mês de outubro se situasse em um patamar inferior ao de setembro.

Os transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio reduziram sua participação relativa de 32,8% na taxa de setembro para 19,2% em outubro, e os serviços de informação e comunicação recuaram de uma contribuição de 14,1% em setembro para 13,5% em outubro.

“Os transportes tiveram redução na composição relativa da taxa, e comunicação também. Isso fez com que a taxa global ficasse abaixo do patamar de setembro”, confirmou Saldanha. O transporte aéreo teve redução no movimento de passageiros do setor corporativo por conta das eleições, enquanto o segmento de audiovisuais registrou perdas na receita provocadas pela propaganda política gratuita.