Antes de começar a desacelerar no segundo trimestre do ano que vem, a inflação deve bater o pico nos primeiros três meses de 2015, afirmou o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, nesta terça-feira, 16, em audiência pública no Congresso.

“Estou convencido de que, após um curto interregno possivelmente em elevação, a inflação em doze meses iniciará um longo período de declínio, que no cenário mais provável se inicia no segundo trimestre de 2015, e vai culminar com o atingimento da meta de 4,5% ao ano”, disse Tombini aos senadores da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Na semana passada, quando esteve no Congresso para outra audiência pública, Tombini deu o mesmo recado, mas não delimitou no tempo quando a inflação começaria o processo de declínio para a meta. “Por conseguinte, entendo que não deveria ser tomado como surpresa, nos próximos meses, um cenário que contempla inflação acima dos níveis em que atualmente se encontra. Independentemente disso, entretanto, estou convicto de que, após um curto interregno possivelmente em elevação, a inflação em doze meses iniciará um longo período de declínio, que vai culminar com o atingimento da meta de 4,5% ao ano”, afirmou na ocasião.

Hoje, Tombini afirmou que o cenário do BC mostra inflação atingindo o pico no primeiro trimestre de 2015, no início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, mas que, depois disso, no segundo trimestre, a inflação desacelerará em direção à meta.