Brasília

  – Brasil e China estão discutindo a ampliação da parceria entre os dois países. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, e o ministro do Planejamento da China, Zhang Guobao, discutiram o assunto ontem. Amaral informou que o Brasil apresentou memorando de entendimento para a transferência de equipamentos e tecnologia para a produção de álcool na China.

O ministro chinês discutiu o programa do álcool brasileiro com o secretário de Desenvolvimento da Produção, Reginaldo Arcuri, e com representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Segundo Amaral, também foi discutida a ampliação das exportações de automóveis para a China.

Os ministros conversaram ainda sobre a parceria entre a brasileira Embraer e a chinesa Avic II para a produção de aeronaves na China. Amaral disse que o mercado potencial chinês é para a produção de 400 aeronaves, mas isso não significa que será produzida esta quantidade. As duas empresas estão negociando os termos da parceria. “Os jatos regionais da Embraer recebem amplos elogios no mercado chinês”, disse Guobao.

ONU

Guobao afirmou que o governo chinês é favorável ao aumento da representatividade dos países em desenvolvimento no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Ele disse que a China, membro permanente do organismo, apóia a aspiração brasileira de desempenhar um papel mais importante no conselho. “A China tem sempre defendido que o Conselho de Segurança da ONU deva acompanhar constatamente as mudanças do tempo com reformas apropriadas e necessárias”, disse.