O recuo sofrido em março da taxa de inadimplência da pessoa física, que mede o atrasado de pagamentos superior a 90 dias, não se repetiu em abril. De acordo com dados divulgados pelo Banco Central (BC) nesta sexta-feira (25), o índice chegou a 7,6%, superando os 7,4% do mês anterior.

O anúncio é preocupante, pois esse é a maior taxa desde dezembro de 2009, quando se chegou ao patamar de 7,71%. Entre os fatores que mais ajudaram a alavancar o índice está a compra de carros através de sistemas de parcelamento. Nesse caso, o BC averiguou que esse tipo de operação teve acréscimo de 5,9%.

Em apuração sobre a taxa de inadimplência das empresas, houve estagnação no resultado, mantendo-se no patamar de 4,1%. Se o valor for comparado com o todo o ano de 2011, é registrando um crescimento de 0,4 pontos percentuais.