A taxa de desemprego ajustada da Alemanha recuou para uma mínima recorde em maio, enquanto o número total de desempregados caiu para menos de 3 milhões, segundo dados divulgados hoje pelo governo. O desemprego ajustado recuou de 7,1% em abril para 7,0% em maio – a menor taxa desde que os registros começaram a ser feitos, em 1999.

Em termos não ajustados, o número de desempregados caiu 118 mil no período, para 2,960 milhões, o volume mais baixo para um mês de maio desde 1992. O desemprego na Alemanha está diminuindo em meio ao rápido crescimento do país, que teve expansão de 1,5% no primeiro trimestre deste ano.

Ainda assim, em termos ajustados sazonalmente, a queda no número de desempregados ficou abaixo das estimativas. O dado caiu 8 mil, após o recuo revisado de abril de 33 mil. Economistas esperavam que houvesse queda de 30 mil em maio.

Vendas no varejo

As vendas no varejo da Alemanha subiram 0,6% em abril, em termos ajustados pelos preços, após queda de 2,7% em março, informou o escritório de estatísticas do país. O resultado foi menor que o aumento de 1,7% previsto pelos economistas. Em relação a abril do ano passado, a alta foi de 3,6%, em termos ajustados pelos preços. As vendas de alimentos, bebidas e tabaco subiram 4,3% em base anual e 4,7% em relação a março.

O escritório de estatísticas federal observou que as vendas de abril foram influenciadas pelo feriado da Páscoa, que neste ano ocorreu mais tarde do que em 2010. No ano passado, a maior parte das compras relacionadas à Páscoa foram feitas em março.

França

Os gastos do consumidor na França, segunda maior economia da zona do euro (que reúne os 17 países que utilizam o euro como moeda) , caíram 1,8% em abril, após recuarem 1% em março, informou hoje a agência de estatísticas oficial do país, a Insee.

A queda de 10% nas vendas de veículos e de 3,1% no consumo de energia explicam a maior parte da retração nos gastos do consumidor em abril, disse o Insee. Os consumo de móveis caiu 1,5% em abril, na comparação com março, e o de bens têxteis e de couro cedeu 0,5%.

Em outra divulgação do dia, a Insse informou que o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da França subiu 0,8% em abril, na comparação com março, e 6,4% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Espanha

O grande déficit em conta corrente da Espanha se ampliou no primeiro trimestre deste ano, como resultado dos maiores custos da importação de energia e do aumento dos pagamentos de juros. Segundo o Banco da Espanha, o déficit no primeiro trimestre somou 17,72 bilhões de euros, ante 15,93 bilhões de euros no mesmo período do ano passado.

A conta corrente do balanço de pagamentos é resultado da balança comercial (exportações menos importações), da balança de serviços (viagens internacionais, seguros, lucros e dividendos, entre outros) e das transferências unilaterais (envio de dinheiro do exterior ao país).

Como porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB), o déficit em conta subiu para 6,7%, ante o índice de 6,2% de um ano antes. A informação sobre renda na conta corrente do primeiro trimestre – que inclui pagamentos de juros e receitas – mostrou déficit de 6,03 bilhões de euros, em comparação com 5,03 bilhões de euros no mesmo período de 2010.

Ao mesmo tempo, o tradicionalmente grande déficit comercial da Espanha aumentou para 11,91 bilhões de euros no primeiro trimestre, ante 10,89 bilhões de euros de um ano antes. As informações são da Dow Jones.