Os supermercados pequenos e os de vizinhança vão ser apostas estratégicas no plano de expansão do Grupo Pão de Açúcar, no próximo ano. Na briga para melhorar a rentabilidade e cortar custos, a rede começa a substituir lojas do Pão de Açúcar e CompreBem pela bandeira Extra Perto, voltada para as compras de vizinhança.

Os pontos-de-venda da rede, na capital ou interior, que estão com resultados abaixo do esperado ou fora do perfil da região estão sendo transformados e reabertos como Extra Perto. Já foram feitas este ano nove conversões e construídas sete lojas. A reforma de uma loja fica em torno de R$ 3 milhões para o Pão de Açúcar, bem menos do que uma unidade nova que custa mais do que o dobro. O grupo tem tido resultados abaixo das expectativas dos investidores e se empenha em cortar custos e aumentar sua rentabilidade.

O Pão de Açúcar fecha o ano com 16 lojas Extra Perto e inicia 2008 com quatro lojas convertidas. A meta para a bandeira é dobrar de tamanho no ano que vem. "A expansão será tanto na capital como no interior, em muitos casos com a substituição do CompreBem?, diz o diretor executivo, Hugo Bethlem.

O Carrefour testa também o modelo de conveniência em postos de gasolina no Rio Grande do Sul. O Wal-Mart tem priorizado a conversão das bandeiras Balaio e Mini Bompreço, no Nordeste, para o formato de lojas de vizinhança Todo Dia. É este modelo, que o presidente da companhia, Vicente Trius, considera adequado para a expansão no País. Mas também deve investir mais em suas duas bandeiras de atacado, o Sam?s Club e o Maxxi, hoje circunscrita aos estados do sul. A rede em 2008 está investindo no País R$ 1,2 bilhão para a abertura de 36 lojas e um novo centro de distribuição.