O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel, enumerou nesta terça-feira, 25, uma série de hipóteses que podem ter levado a uma redução das taxas de juros no crédito do sistema financeiro em maio: quadro de inadimplência estável, melhor perfil do tomador de crédito – o que contribui para a redução do spread -, moderação da expansão do crédito e composição das taxas, com a substituição de modalidades mais caras por outras mais em conta.

“Como o custo de captação dos empréstimos não caiu, então foi o spread que contribuiu para a redução das taxas de juros no mês passado”, comentou o técnico. Na avaliação de Maciel, essa redução das taxas vista em maio, no entanto, não é uma tendência, porque o custo de captação não recuou e porque a economia brasileira passa por um momento de aperto monetário. Além disso, segundo ele, as taxas praticadas este mês até o dia 10 já mostram elevação.