O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, afirmou nesta terça-feira, 21, que o sistema tributário do País gera viés antiexportador e prejudica investimentos. “O mais grave é que o País conhece os problemas e não consegue superá-los, como mostra a recente discussão sobre reforma do ICMS”, disse Andrade, durante o lançamento, em Brasília, do Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O documento, segundo a CNI, aponta problemas que inibem o desenvolvimento do Brasil e define ações necessárias para o Brasil crescer mais e melhor. O objetivo da CNI é que o País tenha indústria mais forte e internacionalmente competitiva.

Andrade lembrou que a participação da indústria brasileira de transformação no PIB brasileiro está abaixo de 14%, mas já chegou a ser 24%. “Certamente este mapa pode nos levar a recuperar o espaço que perdemos. Não tomando espaço de outros setores, mas fazendo com que o PIB brasileiro possa crescer”, colocou. O presidente da entidade sugeriu, ainda, que “futuros candidatos à Presidência da República incorporem o mapa a seus projetos”.

Para Andrade, os investimentos de longo prazo, de 30 a 40 anos, exigem um sistema institucional seguro. “O enfrentamento desses desafios exige aperfeiçoamento contínuo das nossas instituições e política. A qualidade da governança é essencial para se fazer avançar a agenda. É com preocupação que vemos, em muitas situações, um sistema de administração menos sofisticado do que o próprio País.”