Mais da metade (51,2%) da população ocupada do País não contribuía para a Previdência em 2006, segundo mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), divulgada nesta quinta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Do total de 89,3 milhões de ocupados no País no ano passado, 43,6 milhões eram contribuintes e 45,7 milhões não-contribuintes.

A pesquisa mostra, porém, que houve um aumento de 5,4% no número de trabalhadores contribuintes para a Previdência Social em 2006 na comparação com o ano anterior. Além disso, houve uma evolução importante na fatia do total de ocupados que contribuíam para a Previdência entre 1996 (42,6%) e o ano passado (48,8%).

Entre as atividades pesquisadas, o maior porcentual de ocupados contribuintes em 2006 estava na administração pública (84,8%) e o menor no setor agrícola (13,5%). Na indústria de transformação 64,5% dos ocupados contribuíam para a Previdência.

A Pnad investigou também o nível de sindicalização dos trabalhadores e mostrou um crescimento de 3,7% no número de associados a sindicatos, em 2006, na comparação com o ano anterior. No ano passado, os sindicalizados eram 16,6 milhões de pessoas, ou 18,6% da população ocupada.

Segundo conclui a Pnad, "existe uma acentuada diferença na capacidade de organização entre as categorias de trabalho na estrutura produtiva". Em 2006, enquanto apenas 1,9% dos ocupados em serviços domésticos eram sindicalizados, na indústria de transformação o porcentual chegava a 22,1% e em educação, saúde e serviços sociais, a 30,3%.