As vendas de imóveis residenciais na cidade de São Paulo caíram 24,4% de janeiro a julho, para 16.460 unidades, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo divulgou o Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP). No mês de julho, foram vendidas 2.092 unidades, o que representa queda de 41,5% na comparação com junho. Em nota, o Secovi-SP destacou que a sazonalidade de julho, mês de férias, precisa ser levada em conta nessa base de comparação.

O índice de vendas sobre oferta (VSO) foi de 14,4% em julho. No mês, os imóveis de três dormitórios corresponderam a 41% do total comercializado, os de dois dormitórios, a 28%, os de quatro dormitórios, a 27%, e de um dormitório, a 4%. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, o número de lançamentos de imóveis residenciais recuou 50,6% ante o mesmo intervalo de 2008, para 9,7 mil unidades. Conforme a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), foram lançadas 1.603 unidades em julho, 6,5% a menos que em junho.

Em agosto, o Secovi-SP revisou para cima a projeção de vendas de unidades novas no município de São Paulo, para 32 mil em 2009, mesmo volume vendido em 2008. Hoje, o Sindicato informou, em nota, perspectiva de comercialização de 30 mil a 32 mil unidades. O Secovi-SP manteve a projeção de lançamentos para o ano de 25 mil unidades. Em relação aos lançamentos de escritórios comerciais, houve crescimento de 130,6% de janeiro a julho, para 1.870 unidades.