A região Sul registrou o maior nível de endividamento no ano passado. De acordo com os dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgados nesta terça-feira, 4, 76,0% das famílias do Sul tinham dívidas em 2013. Apesar de ser a maior taxa, inclusive acima da média nacional (62,5%), o resultado significa recuo ante o nível observado em 2012 na região (78,6%).

Já o Sudeste registrou o menor porcentual de endividamento entre as famílias em 2013. A CNC observou que 56,3% das famílias tinham dívidas no ano passado, o maior nível já registrado para a região desde que a pesquisa foi iniciada, em 2010, mas ainda abaixo da média nacional. Em 2012, o endividamento havia ficado em 53,9% na região.

O endividamento das famílias também subiu nas três demais regiões medidas pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic): Norte (57,8% para 68,2%), Nordeste (58,9% para 65,8%) e Centro-Oeste (59,8% para 67,8%).

Inadimplência

Apesar de a região Sul ter o maior nível de famílias com dívidas, a inadimplência é maior na região Norte. Segundo a CNC, 25,9% dos endividados da região Norte tinham contas em atraso em 2013. No ano anterior, esse porcentual era de 20,0%. O nível ainda ficou acima da taxa de inadimplência nacional, de 21,2%.

Já o Sudeste, além de registrar o menor porcentual de endividamento, reúne melhores pagadores. Nesta região, o nível de inadimplência baixou a 18,8% em 2013 (o menor da série iniciada em 2010), depois de se posicionar em 19,6% em 2012.

A inadimplência também caiu no Sul (25,8% para 21,9%) e ficou estável no Nordeste (23,4% tanto em 2012 quanto em 2013). No Centro-Oeste, o porcentual de famílias com contas em atraso aumentou de 17,5% em 2012 para 18,9% em 2013.