As reformas de longo alcance anunciadas pelos líderes da China na última semana, incluindo mais isenções na política do filho único e mudanças na alocação de terras, não devem acontecer imediatamente. As informações foram transmitidas durante uma série de entrevistas na televisão estatal do país, a China Central Television.

Segundo o canal, o impacto imediato no relaxamento da política do filho único é difícil de ser previsto. Enquanto a China continuar superpovoada, continuarão a existir políticas de planejamento familiar no longo prazo.

Já a reforma agrária, outra peça chave nas mudanças propostas, também será introduzida gradualmente, com medidas que permitirão aos fazendeiros a hipotecar suas terras ou repassá-las aos herdeiros por meio de um projeto piloto.

As propostas são resultados do encontro do Partido Comunista realizado na semana passada e que foram anunciadas na última sexta-feira. Embora as reformas sinalizem uma mudança profunda em várias áreas da economia, ainda há poucos detalhes sobre o tempo e ritmo de implementação das medidas. Fonte: Dow Jones Newswires.