O volume de recursos para crédito a ser oferecido pelo governo do Estado aos empresários paranaenses nos próximos três anos e meio, vai chegar a R$ 3,25 bilhões. Desse total, R$ 2,72 bilhões serão aplicados pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e R$ 530 milhões pela Agência de Fomento do Paraná.

O diretor-presidente do BRDE, Carlos Marés, destaca que o valor é expressivo e que a determinação do governo do Estado é de dar prioridade às regiões que têm mais necessidade de desenvolvimento e os pequenos empreendimentos. Os financiamentos vão atender atividades produtivas, de transformação de bens e principalmente de agregação de valores aos produtos regionais.

Ele cita como exemplo algumas regiões que têm tradição em determinada cultura, como mandioca, frutas, leite ou arroz, que serão incentivadas a transformar esses produtos na própria localidade, por meio da criação de uma cooperativa, associação ou mesmo por meio de um empreendedor, para movimentar a economia regional.

Marés ressalta que os recursos existem e que esses tipos de projetos serão prioridade do BRDE, embora a instituição não deva modificar a atividade geral, de aplicar dinheiro em outros tipos de financiamentos. ?Todo projeto que tenha viabilidade técnica e financeira vai contar com recursos de crédito. A prioridade significa que o trabalho dos técnicos do BRDE, na busca ou na indução do desenvolvimento, será nas regiões mais necessitadas?.