Milhões de poupadores têm só até o dia 31 de maio para pedir na Justiça o ressarcimento das perdas com o Plano Bresser, em 1987. Em junho daquele ano, o governo mudou o índice de correção das cadernetas e estabeleceu que o dinheiro seria remunerado pelo indexador antigo na primeira quinzena. No resto do mês, o novo índice seria usado. Entretanto, os bancos aplicaram o novo em todo o mês. Segundo cálculos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), atualizando os valores, o consumidor cuja poupança somasse R$ 10 mil recebeu R$ 1.802 de correção, quando o correto seriam R$ 2.606, R$ 804 a mais.

?O cliente acabou recebendo 44,62% a menos do que teria direito?, explica Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Anefac.

A estimativa do site Financeiro 24 horas é de que 80 milhões de clientes têm direito à indenização. De acordo com o consultor da instituição, Reinaldo Domingos, apenas 20% dos poupadores da época já entraram com o pedido. Segundo ele, o valor que está nas mãos dos bancos pode chegar a R$ 1,6 trilhão. Mas o volume total da reposição das perdas e a quantidade de lesados é difícil de ser medida porque só os bancos detêm essas informações.