São Paulo

  – O recente otimismo do mercado financeiro com a transição de governo continuou rendendo frutos e o dólar fechou ontem em forte queda pelo segundo dia consecutivo. A moeda americana terminou o dia valendo R$ 3,625 na compra e R$ 3,630 na venda, com queda de 2,29%. Com esse resultado, encerrou o mês de outubro com desvalorização de 3,63% frente ao real.

Vários fatores contribuíram para a super – oferta de moeda nesta quinta-feira. Além da correção espontânea já observada anteontem, ingressos externos significativos ajudaram a derrubar a moeda americana. Os títulos da dívida externa continuaram em alta e o risco-país teve queda significativa desde a abertura.

Os negócios ainda foram embalados por rumores em torno do nome de Armínio Fraga. De acordo a boataria nas mesas, Fraga teria recebido convite do PT para ficar à frente do Banco Central por pelo menos mais dois meses. Mais entusiasmados, alguns falaram até em permanência definitiva do atual presidente do BC, hipótese jamais admitida pelos petistas. O BC também esteve presente no mercado para colaborar para a queda do dólar. A autoridade monetária vendeu US$ 200 milhões em linha externa (venda com compromisso de recompra), com o objetivo de rolar parte dos vencimentos da próxima semana. Anteontem o BC já havia vendido US$ 200 milhões com o mesmo objetivo.

A fonte de todo o bom humor continuou sendo a correção das perspectivas pessimistas em torno do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Com maior confiança em uma transição tranqüila, os investidores correram em busca de ajustar suas posições.

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), as taxas de juros se ajustaram para baixo, mas em menor proporção que a queda do dólar. O Depósito Interfinanceiro (DI) de janeiro de 2003, o mais negociado, projetou no último negócio taxa anual de 23,09%, contra 23,29% da véspera. Segundo profissionais do mercado, houve certo desconforto com a taxa de inflação de 3,87% apurada pelo IGP-M de outubro.

Bolsa

Em seu terceiro dia consecutivo de alta, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou ontem com valorização de 0,98%, com o Índice Bovespa em 10.167 pontos. O volume financeiro foi de R$ 674,3 milhões. Com o resultado desta quinta, o Ibovespa encerra o mês de outubro contabilizando ganho acumulado de 17,92%, o maior desde dezembro de 1999 (+24,04%).