O governo do Paraná tem condições de conceder 32,25% de aumento salarial aos professores neste ano, sem ferir os limites de gastos com pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal. A constatação é de estudo feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos) a pedido da APP-Sindicato, apresentado hoje.
Os professores estaduais reivindicam reposição de 65% referentes às perdas inflacionárias acumuladas desde agosto de 95 – data do último reajuste da categoria, de 10%. De acordo com o estudo, praticamente a metade do pedido dos servidores (32,15%) poderia ser atendido com a criação, através de lei complementar, de dois novos níveis (8 e 9) na tabela do Quadro Próprio do Magistério, que hoje inclui cinco níveis (3 a 7).
Pela proposta, seriam eliminados os níveis 3 e 4, e todos os professores seriam remanejados duas categorias acima. Se a lei for aprovada pelo Legislativo, o piso inicial da categoria, que atualmente é de R$ 253,17 (nível 3) passaria para R$ 334,00 (nível 5).
A proposta da lei complementar foi apresentada em audiência no Palácio Iguaçu no dia 14 de maio. O governo prometeu fazer um estudo de viabilidade, mas até agora não se manifestou.