O secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Jacob Lew, minimizou o potencial impacto global da forte queda recente nas ações da China. Segundo ele, porém, esse fato pode conter o crescimento da nação asiática no prazo mais longo, caso Pequim desacelere suas prometidas reformas econômicas.

“Os mercados da China estão bastante separados dos mercados mundiais”, disse Lew nesta quarta-feira, durante um evento no Brookings Institution. “A preocupação que acredito que é real é o que significa isso para o crescimento de longo prazo na China”, comentou.

Um porta-voz da embaixada da China, Zhu Haiquan, disse que seu país continuará a avançar para realizar reformas abrangentes, garantindo o crescimento econômico num patamar adequado e promovendo um avanço com qualidade.

Autoridades e empresas norte-americanas reclamam do ritmo de Pequim para adotar essas políticas, avaliando que o governo chinês não avança rápido o suficiente.

“Eu espero que isso não seja algo que desacelere o ritmo da reforma”, disse Lew, comentando a queda recente nas ações chinesas. Segundo ele, se a reação oficial for colocar um freio nas reformas, isso irá desacelerar o processo.

Zhu afirmou que as políticas fiscal e monetária de Pequim ajudaram a garantir a estabilidade econômica no primeiro semestre do ano. Fonte: Dow Jones Newswires.