Procuradores, juízes e auditores fiscais do trabalho estão reunidos em Curitiba para discutir o papel das três instituições na garantia do direito dos trabalhadores. O objetivo é encontrar maneiras que possam garantir avanços nas questões trabalhistas, dentro da realidade de cada instituição.

De acordo com a juíza Eneida Cornel, do Tribunal Regional do Trabalho, este é o segundo encontro que é realizado com as três categorias. No primeiro evento foram apuradas quais as dificuldades que eles encontram para a realização dos trabalhos. Segundo a juíza, o excesso de trabalho e falta de pessoal foram apontadas como as principais dificuldades. “Neste encontro vamos trabalhar em cima de dados de como nosso trabalho é visto e esperado pela sociedade”, disse Eneida.

O papel do Ministério Público do Trabalho ganhou força depois da Constituição de 88, diz o procurador regional do Trabalho e coordenador estadual da Escola Superior do Ministério Público da União, Alvacir Correa dos Santos. Apesar disso, acrescentou, a sociedade ainda precisa saber mais sobre as atribuição do órgão para ser acionada e cobrar sua atuação.

O procurador acrescentou que com a crescente pressão sobre o emprego, muitos trabalhadores estão deixando de reivindicar salários justos ou condições adequadas de trabalho. “O medo de perder o emprego faz com que as pessoas cada vez menos lutem pelos seus direitos”, disse. Santos destaca que isso evidencia a necessidade de uma atuação e presença dos órgão de defesa do trabalho.