A produção industrial no Rio de Janeiro teve em julho queda de 8,3% em relação a igual mês de 2014, a sexta taxa negativa consecutiva em nesse tipo de confronto, informou nesta quarta-feira, 9, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Das 14 atividades, 13 estão em queda”, explicou Rodrigo Lobo, técnico da Coordenação de Indústria do órgão.

O maior impacto negativo é a indústria de veículos, com recuo de 41,8% no período. O dado, reconheceu Lobo, chama a atenção devido ao parque diversificado do setor na região. No sul fluminense, há cinco montadoras e diversas fábricas de autopeças.

“Aqueles locais que têm produção de bens de capital voltados para transporte (como caminhões e reboques) não têm mostrado recuperação. Outros produtos que não automóveis acabam puxando para baixo”, justificou Lobo.

No Amazonas, por outro lado, a queda de 18,2% em julho ante julho de 2014 – a maior entre as regiões – foi puxada pelos televisores e pelas motocicletas. “Os bens de consumo duráveis têm tido dificuldades nesse momento de consumo mais fraco”, disse o técnico do IBGE.