Pesquisa realizada pelo Procon do Estado de São Paulo no último dia 4 de dezembro em sete bancos aponta que a taxa média do cheque especial subiu para 10,15% ao mês, 0,15 ponto porcentual a mais do que no levantamento anterior. Ao mesmo tempo, a pesquisa registrou queda na taxa de juros média de empréstimo pessoal, que foi de 5,85% ao mês, 0,16 ponto porcentual a menos do que no levantamento passado.

Dos sete bancos pesquisados, quatro aumentaram a taxa de cheque especial. A maior alta (11,06%) foi verificada na Caixa Econômica Federal (de 6,33% para 7,03% ao mês). Em seguida aparecem HSBC, com aumento de 2,5% (de 11,99% para 12,29%); Banco do Brasil, com alta de 0,22% (de 8,95% para 8,97%); e Bradesco, com acréscimo de 0,21% (de 9,75% para 9,77%). Os bancos Safra (9,5%), Santander (12,99%) e Itaú (10,5%) mantiveram suas taxas.

Já no empréstimo pessoal, apenas dois bancos elevaram suas taxas: Caixa Econômica, que alterou de 3,75% para 3,91% ao mês (alta de 4,27%), e Itaú, que subiu de 6,19% para 6,22% (variação de 0,48%). No Bradesco, por sua vez, houve redução de 16,88% da taxa, que passou de 7,76% para 6,45%. Banco do Brasil, HSBC, Safra e Santander permaneceram com os mesmos índices praticados no mês anterior: 5,07%, 6,39%, 5,4% e 7,49%, respectivamente.

O Procon esclarece que os dados divulgados nesta terça-feira, 16, se referem às taxas máximas pré-fixadas para clientes pessoa física não preferenciais, independente do canal de contratação. O órgão pondera que, para o cheque especial, foi considerado o período de 30 dias, enquanto, para o empréstimo pessoal, o prazo de contrato é de 12 meses.