O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, está reunido nesta quinta-feira, 14, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), na residência oficial da Presidência da Câmara. Segundo apurou o Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, eles discutem as estratégias para anunciar o adiamento da votação da reforma no Congresso Nacional para fevereiro de 2018.

Padilha assumiu as negociações nesta quinta em razão da ausência do presidente Michel Temer, que segue internado em São Paulo, após passar por procedimento cirúrgico nessa quarta-feira, 13.

O ministro da Casa Civil tem falado com Temer por telefone constantemente. A previsão é de que o anúncio oficial do adiamento da votação seja feito nesta sexta-feira, 15, ou na próxima segunda-feira, 18, dependendo de quando o presidente receber alta médica.

Na quarta, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), se antecipou a Maia e anunciou que a reforma da Previdência só será votada em fevereiro do próximo ano. O anúncio, antecipado pelo peemedebista ao Broadcast, provocou queda da Bolsa e alta do dólar e gerou saia-justa para equipe econômica e lideranças governistas, que só pretendiam anunciar a decisão nesta quinta-feira.

“Só vota Previdência em fevereiro. Está conversado entre o Rodrigo e o Eunício. Estamos esperando apenas o presidente (Michel Temer) chegar (de São Paulo) para fechar o acerto”, disse Jucá em entrevista ao Broadcast minutos após descer da mesa diretora do plenário da Câmara, onde teve conversa de pé de ouvido com Maia para falar sobre o assunto. Após a entrevista, Jucá distribuiu nota e convocou coletiva de imprensa para comunicar a decisão.