Em alguns postos de Curitiba o litro
da gasolina poderá custar R$ 2,30.

O litro da gasolina deve custar em torno de R$ 2,30 em Curitiba, a partir de hoje. O motivo é a redução do percentual de álcool anidro misturado na gasolina C, de 25% para 20%. A diminuição foi acertada entre o governo federal e o setor sucro-alcooleiro, para evitar desabastecimento do álcool no período da entressafra. De acordo com o Sindicombustíveis/PR (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Paraná), o percentual maior de gasolina -que é mais cara que o álcool – na mistura representa alta de 2,3% no preço de bomba, ou seja, R$ 0,05. Segundo a entidade, o preço médio da gasolina passará de R$ 2,22 a R$ 2,27, mas pode superar os R$ 2,30 em alguns estabelecimentos.

Circulou no setor de combustíveis a informação de que algumas distribuidoras fariam um repasse de R$ 0,09 no preço da gasolina aos postos, em função do aumento de R$ 0,15 no custo do álcool anidro na última semana, de R$ 1,05 para R$ 1,20 o litro. “Isso pode interferir no preço da gasolina em mais R$ 0,03”, estima o presidente do Sindicombustíveis/PR, Roberto Fregonese. “Mas não sei se as companhias vão adotar o repasse já ou esperar mais um pouco”. Com a alta do anidro, o álcool hidratado (combustível) também deve subir. “O problema é que, dependendo da distribuidora, o álcool é vendido entre R$ 1,27 a R$ 1,50”, cita Fregonese. Em muitos postos de Curitiba, o álcool custa R$ 1,339.

Fregonese comenta que a venda de combustíveis em janeiro de 2003 foi 30% inferior ao mesmo mês de 2002. “Há vários fatores influenciando: o volume de gás natural veicular vendido está muito maior que no ano passado; muitos usuários de gasolina fazem a famosa mistura ?rabo de galo?, que prejudica os motores; e o preço extorsivo, já que as pessoas não têm mais recursos para gastar a litragem que gastavam”, aponta.

Até segunda-feira, deve haver muita variação nos preços da gasolina em Curitiba, acredita Fregonese. O aumento de hoje supera a previsão feita pelo Copom (Comitê de Política Monetária, do Banco Central) em sua última reunião, de que o litro da gasolina deveria subir 0,2% este ano. Em dezembro, a estimativa era de queda de 3,8% em 2003. O mercado também espera um reajuste de até 10% no diesel, em função da defasagem em relação ao preço internacional. Em Curitiba, o litro do diesel custa em torno de R$ 1,50.

A diferença entre o preço do diesel e da gasolina é muito maior no Brasil do que em outros países, devido aos subsídios pagos pelos consumidores de outros combustíveis. Mesmo assim, a oscilação dos preços nas véspera de uma possível guerra no Iraque provocou a elevação dos preços internacionais e o repasse seria necessário.

Álcool

Segundo os usineiros, poderia faltar álcool no mercado porque a frota de carros a álcool triplicou no Brasil em 2002. Com a redução do percentual de álcool na gasolina, haverá uma economia de 250 milhões de litros. Para evitar problemas futuros, os produtores se comprometeram a antecipar a moagem da cana, garantindo produção de 600 milhões de litros de álcool até o final de abril. O setor também vai aumentar a produção em mais 1,5 bilhão de litros na próxima safra (2003/2004), passando assim de 11,1 bilhões de litros para 12,6 bilhões de litros de álcool.