A perda de força na elevação de preços dos alimentos no atacado conduziu à taxa menor do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), que foi de 1,02% em janeiro, em comparação com a alta de 1,59% em dezembro do ano passado. A avaliação é do coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros.

De acordo com ele, dentro do setor atacadista, cujos preços também subiram menos (de 2,15% para 1,17%), houve duas desacelerações de preços, em dois segmentos importantes: bens finais (de 2,36% para 0,23%) e matérias-primas brutas (de 4,76% para 2,50%).

No primeiro segmento, a inflação no setor de alimentos perdeu fôlego tanto no caso dos in natura (de 8,54% para 1,87%) quanto dos processados (de 3,39% para 0,49%). "O feijão foi um dos grandes destaques entre os bens finais", disse, acrescentando que a alta no preço desse item passou de 46,89% em dezembro de 2007 para 0,91% em janeiro.

Já no segundo segmento, o grande destaque ficou por conta das commodities agrícolas, que apresentaram desacelerações de preços ou quedas, expressivas. É o caso de milho em grão (de 19% para 1,01%), bovinos (de 10,83% para -2,12%) e soja em grão (de 6,05% para 4,77%). "Temos que lembrar que o dólar caiu muito nos últimos 12 meses", disse, lembrando que o item é muito influenciado pelas movimentações do câmbio.