A Portugal Telecom disse na quinta-feira que não tem capacidade financeira para comprar os 50% da Vivo que ainda não tem, mas que também não venderá os 50% que possui – a espanhola Telefónica tem a outra metade da operadora brasileira.

"Estamos felizes com nossa participação na Vivo e não somos vendedores, mas não estamos em condições de comprar o resto da Vivo e mantermos nossa classificação grau de investimento", disse ontem o vice-executivo chefe da PT, Zeinal Bava, em conferência com investidores.

Também na quinta, o diretor financeiro da Telefónica, Santiago Fernandez Valbuena, disse que não deve haver mudanças no controle da Vivo até o final deste ano. "É improvável que algo aconteça antes do final do ano… esta é a posição da Portugal Telecom", afirmou o executivo. Porém, ele reiterou o interesse da Telefónica no controle total da Vivo, mas "não há um caminho definido e as opções são limitadas", acrescentou.

Em julho, o presidente da Telefónica, Cesar Alierta, disse ao Financial Times que tinha oferecido 3 bilhões de euros (US$ 4,39 bilhões) pela parte da Portugal Telecom na Vivo.