O escoamento da safra de soja e milho pelo Porto de Paranaguá segue lento nesta quinta-feira (10) registrando até às 10h, 19 quilômetros de fila de caminhões no acostamento da BR-277, enquanto alguns navios aguardam a permissão para atracarem.

Diante do mau tempo e da demora acima do normal no carregamento dos navios, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) decidiu, na tarde de quarta-feira (9), suspender temporariamente a emissão de senhas autorizando a vinda de caminhões para o desembarque da safra. Segundo a Appa, devido às chuvas constantes, as operações de carregamento que normalmente levam 36 horas, estão consumindo até cinco dias para serem concluídas. Com isso, os armazéns de grãos em Paranaguá, que têm capacidade para estocar 1,5 milhão de toneladas, estão abarrotados e o pátio do porto também chegou ao limite da lotação, que é de mil caminhões.

A concessionária Ecovia, que opera o trecho entre Curitiba e Paranaguá da BR-277, informou que a fila está diminuindo, uma vez que foram registrados picos acima dos 30 quilômetros de extensão. A Appa, por sua vez, explicou que enquanto não houver espaço nos armazéns, nenhum operador de carga receberá a senha, que é liberada na origem, durante o procedimento online de cadastramento da carga para envio via Porto de Paranaguá.