Os dados de atividade econômica compilados pelo Índice Gerente de Compras (PMI) do HSBC apontam para uma segunda queda mensal tanto na produção industrial quanto no volume de novos pedidos juntos aos fabricantes brasileiros em maio. O indicador, com ajustes sazonais, atingiu 49,3 pontos numa escala de zero a 100 pontos, ficando abaixo da marca de 50 pontos, indicativo de ausência de mudanças.

Assim, como em abril, quando o PMI havia ficado abaixo de 50 pontos, segundo a Markit Economics e o HSBC Bank Brasil, os organizadores da pesquisa, a nova baixa no mês passado sugere outra queda consecutiva da produção industrial brasileira, já que em abril a atividade fabril brasileira caiu 0,2% na comparação com março e recuou 2,9% em relação a abril do ano passado.

Resultante das percepções de cerca de 400 empresas do segmento industrial brasileiro, o PMI é uma consolidação de dados criada para fornecer, em um único número, uma visão geral e instantânea das condições operacionais da economia no setor industrial. “De um modo geral, as empresas atribuíram a queda do PMI em maio à demanda fraca por parte dos clientes”, dizem os organizadores da pesquisa.