Se o Supremo Tribunal Federal (STF) adiar o julgamento dos planos econômicos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que precisará de dez dias para analisar novamente os cálculos envolvidos no caso. “Se o STF baixar em diligência para que eu possa verificar a correção ou não dos nossos cálculos, eu pretendo devolver o processo em dez dias”, disse.

O STF terá de julgar ações que tratam de supostas perdas das cadernetas de poupança decorrentes de planos econômicos. Os processos estão na pauta de hoje do plenário do STF, cuja sessão foi aberta há pouco. Mas, recentemente, a Febraban questionou os cálculos e, nesta terça-feira, 27, o procurador pediu formalmente o adiamento do julgamento. Janot quer novo prazo para refazer a perícia que embasou o parecer sobre o caso enviado ao Supremo.