O Produto Interno Bruto (PIB) calculado pelo Itaú Unibanco, o PIBIU, registrou crescimento de 0,6% em outubro na comparação com setembro, já livre de efeitos sazonais. O dado, segundo o banco, reforça a percepção de melhora da atividade na margem. No confronto com o décimo mês de 2013, no entanto, o PIBIU apresentou queda de 0,7%, sem ajustes sazonais. No acumulado em 12 meses finalizados em outubro o PIBIU subiu 0,4%, sendo a menor expansão desde janeiro de 2010, divulgou o banco na tarde desta sexta-feira, 12.

De um total de dez componentes do PIB mensal do Itaú Unibanco, houve avanço em sete deles. “A média móvel de três meses da difusão continua mais alta que a média histórica (62%), no mesmo nível de setembro (67%)”, avaliou, em nota, o economista Rodrigo Miyamoto.

A alta do PIBIU em outubro foi puxada em parte pelo aumento de 1,7% das vendas no varejo ampliado, que impulsionaram o setor de serviços. Na indústria, segundo o banco, a maior influência de elevação veio da produção e distribuição de eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana, com crescimento de 2,8% no décimo mês deste ano.

O aumento do PIBIU mensal, segundo ressalta Miyamoto, deixa uma herança estatística positiva para o quarto trimestre, em linha com o cenário de avanço do PIB esperado pelo banco para este ano. “Avaliamos que a atividade econômica apresenta uma melhora moderada na margem. Para o próximo mês (novembro), esperamos que a atividade econômica apresente um novo aumento. Considerando-se também a herança estatística positiva, esperamos alta do PIB (do IBGE) de 0,5% no quarto trimestre de 2014”, avaliou.

Apesar da melhora do PIBIU mensal, a queda de 0,7% apurada em outubro na comparação com igual mês de 2013 evidencia a fraqueza da atividade econômica, que ainda não foi revertida, conforme o banco. “Ademais, a expansão do PIB mensal no acumulado em 12 meses ficou em 0,4%, menor nível nesse tipo de comparação desde janeiro de 2010”, completa a nota do Itaú Unibanco.