A economia da Alemanha contraiu no final do ano passado devido a uma queda no investimento fixo e nas exportações, mostraram dados oficiais nesta sexta-feira, mas os economistas preveem que o enfraquecimento será de curta duração em meio a uma recuperação no comércio global e por causa de condições de financiamento favoráveis.

O Produto Interno Bruto (PIB) alemão caiu 0,6% no quarto trimestre ante o terceiro, disse o escritório federal de estatísticas, Destatis, confirmando a estimativa anterior. Os dados são ajustados pela inflação e levam em conta os efeitos sazonais e de calendário. No entanto, o PIB cresceu 0,4% em comparação com o quarto trimestre de 2011.

“Acreditamos que esta fraqueza cíclica deve ser de curta duração e prevemos uma aceleração no início deste ano, em linha com a recuperação nas encomendas e evidências de pesquisas de negócio”, disse o economista do Goldman Sachs, Dirk Schumacher. Ele prevê que o PIB alemão cresça 0,3% no primeiro trimestre.

A situação fiscal da Alemanha também melhorou acentuadamente no ano passado, uma vez que o governo geral – que inclui o governo central, mas também estados e governos locais – registrou um superávit pela primeira vez desde 2007. O superávit foi de 0,2% do PIB em 2012, depois de um déficit de 0,8% em 2011. Os empréstimos líquidos do governo geral atingiram 4,2 bilhões de euros (US$ 5,56 bilhões) no ano passado, cerca de 2,0 bilhões de euros a mais do que o Destatis havia estimado anteriormente.

Grande parte da recuperação da Alemanha se baseia nas exportações e no investimento, que caíram no final do ano passado.

O investimento em máquinas e equipamentos caiu 2,0% no quarto trimestre ante o terceiro, tirando 0,1 ponto porcentual da taxa de crescimento trimestral. Este investimento recuou 9,3% ante o ano anterior, depois de cair em cada trimestre de 2012.

As exportações líquidas também foram um peso para a atividade do quarto trimestre, visto que as exportações caíram 2% em relação ao terceiro trimestre, enquanto as importações recuaram 0,6% na mesma comparação. Como resultado, as exportações líquidas tiraram 0,8 pontos porcentuais da taxa de crescimento trimestral da Alemanha, mostraram os dados.

No lado positivo, o consumo privado e o consumo do governo aumentaram ligeiramente no quarto trimestre, um aumento de 0,1% e de 0,4%, respectivamente, ante o terceiro trimestre.

O escritório de estatísticas deve publicar sua estimativa do PIB para o primeiro trimestre em 15 de maio. As informações são da Dow Jones.