Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres). A alta foi atribuída ao sentimento de que a crise no mercado de crédito pode estar próxima do fim, o que levou a uma leve melhora na confiança sobre a perspectiva da economia dos EUA. O anúncio de que o Bank of America vai investir US$ 2 bilhões na financeira Countrywide provocou reação positiva no mercado de ações e isso beneficiou também o mercado de petróleo.

"Os preços do petróleo subiram principalmente porque há um pouco menos de preocupação quanto à economia, neste momento. Com aquela grande infusão de dinheiro anunciada pelo Bank of America parece que as preocupações estão diminuindo", comentou o analista Phil Flynn, da Alaron Trading. Para Peter Beutel, da consultoria Cameron Hanover, "há comentários mais positivos em Wall Street sobre a possibilidade de toda a crise de crédito estar potencialmente encerrada. Parece que a renovação da confiança está se alastrando para o setor de petróleo".

Beutel ressalvou que não está claro se os fundos que haviam liquidado posições em petróleo por causa das preocupações quanto a um aperto de crédito global voltarão ao mercado. "Acho que o dano já está feito. Não estou certo de que a perspectiva desse mercado é tão rósea que muitos fundos fiquem dispostos a recomprar contratos nos níveis anteriores", acrescentou. Entre 1º de agosto e ontem, os preços do petróleo haviam caído 10%, depois de terem alcançado o nível recorde de US$ 78,77 por barril.

Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para outubro fecharam a US$ 69,83 por barril, em alta de US$ 0,57, ou 0,82%; a mínima foi em US$ 69,05 e a máxima em US$ 70,05. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 69,86 por barril, em alta de US$ 1,16, ou 1,69%, com mínima em US$ 68,75 e máxima em US$ 70,00. As informações são da Dow Jones.