Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda forte na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Intercontinental Exchange (ICE, de Londres). Participantes do mercado atribuíram a baixa às expectativas em torno do informe semanal do Departamento de Energia dos EUA (DoE) sobre o nível dos estoques norte-americanos, a ser divulgado amanhã. A previsão da maioria dos analistas é de que a taxa de utilização da capacidade das refinarias tenha voltado a crescer na semana passada.

"Acho que temos o mercado ainda focalizando o crescimento das taxas de utilização das refinarias, que tem pressionado para baixo os preços da gasolina. O mercado de petróleo bruto agora alcançou um ponto em que ele está reconhecendo, tacitamente, que a queda dos preços da gasolina induz um recuo dos preços do petróleo", comentou o analista Tim Evans, do Citigroup. Na Nymex os contratos de gasolina para agosto fecharam no nível mais baixo em quatro meses.

Participantes do mercado disseram que outro fator para a desvalorização dos preços do petróleo foi a declaração do chefe da divisão de assuntos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) do Ministério do Petróleo do Irã, Javad Yarjani. Ele disse que a Opep não planeja elevar sua produção com o mercado nas condições atuais, mas ressalvou que "como sempre, se houver necessidade de petróleo bruto, a Opep está sempre pronta a reagir e prover o mercado".

Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para setembro encerraram a US$ 73,56 por barril, em queda de US$ 1,33 ou 1 78%. A mínima foi em US$ 72,91 e a máxima em US$ 74,93. Os contratos de gasolina para agosto fecharam a US$ 2,0477 por galão, com desvalorização de US$ 0,0564 ou 2,68%. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para setembro terminaram a US$ 75,08 por barril, com recuo de US$ 1,78 ou 2,32%, com mínima em US$ 74 85 e máxima em US$ 76,85. As informações são da Dow Jones.