A Petrobras deve retomar até o final do semestre a operação do Teste de Longa Duração (TLD) de Guará, no pré-sal da Bacia de Santos. A operação teve de ser suspensa por um problema verificado na linha que liga a plataforma FPSO Dynamic Producer ao poço, no dia 1º de março. Não houve vazamento, porque a unidade estava parada havia dois dias para manutenção.

Segundo o gerente de Estratégia e Portfolio da área de Exploração e Produção da companhia, Hugo Repsold, ainda é aguardado o laudo com as primeiras conclusões técnicas a respeito do acidente. O documento deverá ser apresentado até o final de abril. O Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes) avalia a parte do riser (tubo) do poço que se rompeu e acabou se desconectando do FPSO. Em paralelo às análises, a Petrobras já montou a logística para a substituição da peça, após a conclusão das análises do incidente.

“É muito cedo para fazer qualquer análise, para tirar qualquer conclusão. Apenas depois de ler com atenção todo o relatório é que dá para ter alguma opinião sobre o que ocorreu. Mas a prioridade é detectar as causas do acidente”, disse Repsold, em rápida entrevista após participar do Rio Forum Gas.

Guará é a segunda unidade do pré-sal da Bacia de Santos a entrar em produção, depois do campo de Lula (ex-Tupi). O TLD na área teve início em dezembro de 2010, com duração estimada de cinco meses e produção esperada de 14 mil barris de petróleo por dia.

A área de Guará, sob concessão do consórcio formado pela Petrobras (operadora), BG Group e Repsol, está localizada no bloco BM-S-9, a cerca de 300 quilômetros da costa do Estado de São Paulo. Os volumes recuperáveis de óleo e gás na área de Guará estão estimados entre 1,1 bilhão e 2 bilhões de barris de óleo equivalente, de boa qualidade, com cerca de 30 graus API.

Após a realização do TLD, a área de Guará receberá um projeto piloto, com poços interligados ao FPSO Cidade de São Paulo. A produção diária, estimada em 120 mil barris de petróleo e cinco milhões de metros cúbicos de gás, deverá começar no início de 2013. Paralelo ao TLD, a estatal anunciou na segunda-feira que concluiu o teste de formação no primeiro poço de extensão de Guará, comprovando as estimativas de alta produtividade da acumulação.

Durante o teste, foram verificadas vazões da ordem de 6 mil barris por dia de óleo de boa qualidade (30º API) limitadas à capacidade dos equipamentos utilizados. O potencial de produção inicial é de cerca de 50 mil barris de petróleo por dia.

O poço é conhecido como Guará Norte. No momento, a estatal está perfurando outro prospecto, o Guará Sul. No total, segundo Repsold, nove sondas estão dedicadas à área do pré-sal da Bacia de Santos e outras três chegarão este ano. Em breve, a companhia deve começar as perfurações em áreas repassadas pela União por meio da cessão onerosa realizada no ano passado.