O número de americanos que pediu auxílio-desemprego caiu na semana passada para 339 mil requisições, o menor nível em mais de quatro anos, quando ainda não havia estourado a crise financeira nos Estados Unidos.

De acordo com o Departamento de Trabalho, o número de pedidos diminuiu em 30 mil em relação à semana anterior, chegando ao menor nível desde fevereiro de 2008.

O índice é bem menor que a expectativa dos analistas, que previam uma alta para 370 mil.

A média móvel, que avalia as quatro últimas semanas, caiu em 11.500 pedidos, para 364 mil, o menor nível em seis meses. Nas últimas semanas, o índice se manteve em cerca de 375 mil requisições.

Os pedidos de auxílio-desemprego se somam aos indicadores positivos sobre o desemprego, divulgados na sexta. O relatório mostrou que o percentual de americanos sem trabalho atingiu 7,8% no país em setembro, o menor nível desde janeiro de 2009. Em agosto, o índice era de 8,1%.

Eleição

Os números saem em meio à disputa eleitoral entre o presidente Barack Obama e o candidato republicano Mitt Romney e pode dar um impulso à campanha de reeleição do democrata, prejudicada pelo desempenho no primeiro debate.

A baixa de pedidos de auxílio-desemprego situa a taxa no mesmo nível do fim do mandato do ex-presidente George W. Bush e durante o início das eleições primárias democratas e republicanas, que escolheriam Obama e John McCain para concorrer à eleição de 2008.

A geração de postos de trabalho reduzida devido à crise econômica é apontada pelos republicanos como um dos principais problemas do governo de Obama e enfatizada por Romney.

Os próximos números sobre o desemprego, referentes a outubro, serão divulgados em 2 de novembro, a quatro dias do pleito nos Estados Unidos.