Para a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a situação da safra 2010/2011 é bastante satisfatória em praticamente todo o País. Há apenas uma exceção, relativa ao Rio Grande do Sul, que enfrenta forte estiagem. Conforme análise divulgada hoje pela CNA, “o desempenho das lavouras de soja do Centro-Oeste é favorável, apesar de o clima seco ter atrasado o plantio das áreas no último trimestre do ano passado”.

Em relação ao Rio Grande do Sul, a CNA admite que “o clima seco é motivo de preocupação para os produtores rurais”, alertando que a estiagem pode afetar não apenas a produção agrícola, mas também comprometer o desempenho da pecuária de corte e de leite. “O resultado final da safra do Rio Grande do Sul e também na Argentina pode ser comprometido pelo clima adverso”, alerta a confederação. As análises, feitas pela superintendência técnica da CNA, fazem parte do boletim “Custos e Preços”, no qual são avaliadas as oscilações nos preços do arroz, feijão, milho, leite, café, boi, soja e algodão.

Em compensação, a CNA destaca que a colheita da safra 2010/2011 já começou em Mato Grosso e que a produtividade das lavouras de soja superprecoce (com ciclo de desenvolvimento mais curto) varia entre 55 e 56 sacas por hectare. A confederação classifica esse rendimento como “favorável”.

A CNA apurou que em janeiro as cotações da soja subiram mais de 6% no mercado internacional, em movimento pressionado por fatores como os problemas climáticos registrados na Argentina, a previsão de redução na área plantada com lavouras de soja nos Estados Unidos este ano e a forte demanda mundial.