Ao tomar conhecimento da proposta do governo, apresentada na reunião com a cúpula do PSDB, de reduzir a contribuição das empresas ao sistema "S", o presidente da CNI, deputado Armando Monteiro, reagiu: "É errado, é um retrocesso".

Segundo Monteiro, o Sistema "S" – que reúne Senai, Sesi, Senac, Sesc, Sebrae, entre outras instituições – é um dos poucos que funcionam neste país.

Ele explicou que hoje a contribuição das empresas, que corresponde a cerca de R$ 11,5 bilhões ao ano, sustenta escolas, aprendizagem, inserção de jovens no mercado de trabalho. "Mexer não vai dar certo", disse.

Armando Monteiro disse que pretende discutir a proposta com o ministro da Fazenda, Guido Mantega e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Isso é um direito constitucional. Não adianta querer mexer no Sistema "S" para fazer o acordo", disse.