Os 13 países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) tiveram uma receita líquida de US$ 674,7 bilhões em 2007 com as exportações do produto, segundo estimativas divulgadas nesta terça-feira (12) pela agência norte-americana especializada em informação sobre energia, a Energy Information Administration (EIA). O montante corresponde a um aumento de US$ 62 bilhões em relação ao observado em 2006 e de quase US$ 500 bilhões a mais em relação ao registrado em 2002, antes do início da escalada nos preços do petróleo. Em termos porcentuais, as exportações de 2007 correspondem a um aumento de 10% em relação a 2006 e de 242% sobre os dados de 2002.

A Arábia Saudita, sozinha, registrou receitas de US$ 193,8 bilhões no ano passado, o que supera o total das exportações brasileiras, que somaram US$ 160,6 bilhões, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O segundo maior exportador foram os Emirados Árabes Unidos, com receitas de US$ 63 bilhões, seguidos do Irã (US$ 57,3 bilhões), Nigéria (US$ 55 30 bilhões), Kwait (US$ 54,30 bilhões) e Argélia (US$ 50,6 bilhões). A Venezuela ocupou a sexta posição, com US$ 48,30 bilhões, seguida de Angola (US$ 43,80 bilhões) e Líbia (US$ 43 80 bilhões).

O Iraque tem registrado recuperação nas exportações de óleo, totalizando US$ 37,80 bilhões no ano passado. Em 2003, quando os Estados Unidos invadiram o país, as exportações desabaram para apenas US$ 8,7 bilhões, ante os US$ 12,7 bilhões registrados em 2002. Em 2004, as receitas do país subiram para US$ 18,4 bilhões para US$ 23,8 bilhões em 2005 e US$ 31,8 bilhões em 2006.

Em termos per capita, o Catar contabilizou a maior receita, com US$ 29.235, seguido dos Emirados Árabes Unidos (US$ 23.817), e Kwait (US$ 21.619). A Arábia Saudita, maior exportador mundial, registrou receita média por capita de US$ 7.012. Ao todo, os 13 países integrantes da Opep tiveram uma receita per capita de US$ 948 com as exportações de petróleo, em 2007, segundo o estudo da EIA.