Rio (AE) – O governo espera que o Brasil mais do que dobre suas exportações de álcool até 2013. No ano passado, as vendas do produto ao exterior foram de 2,6 bilhões de litros. Para 2013, espera-se que esse volume alcance 6 bilhões de litros, informou ontem a superintendente de Qualidade de Produto da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Maria Antonieta de Andrade Souza, na Hart World Refining and Fuels Conference no Rio.

O negócio está crescendo rapidamente, considerando-se que, em 2003, as exportações de etanol foram de 658 milhões de litros. Segundo Maria Antonieta, o Japão quer misturar 3% de etanol na gasolina, mas, apenas para abastecer o país asiático, o Brasil já teria que dobrar sua produção. Japão, Venezuela e Nigéria já têm acordos de importação de etanol com o Brasil. Outros países, entre os quais Estados Unidos e Alemanha, estão em negociações para isso.

No mesmo evento, o antecessor de Antonieta no cargo, professor Antônio Bonomi, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, citou programas de produção de etanol da Colômbia e da Jamaica. No caso da Jamaica, que está apenas começando, Bonomi destacou que o Brasil deveria seguir o exemplo de produtividade. ?De cada tonelada de cana, pode-se produzir o dobro de litro de álcool?, disse. ?Se, como disse a Maria Antonieta, até 2013 podemos dobrar a produção de álcool, até podemos dobrar a área plantada, mas produzindo quatro vezes a produção atual?, afirmou Bonomi.