O diretor de Política Monetária do Banco Central, Mario Torós, afirmou que o País está próximo de conquistar a classificação de grau de investimento das agências de classificação de risco. "Os indicadores de solvência do País são os melhores da história", destacou Torós durante palestra realizada na manhã de hoje em São Paulo.

Torós ressaltou os fundamentos da economia brasileira, em especial a adoção do câmbio flutuante (quando a cotação da moeda estrangeira é feita com base nos valores estabelecidos pelo mercado) e a política de responsabilidade fiscal, que se mostraram eficientes tanto em períodos de bonança como nos "complexos", como o atual.

Segundo o diretor do BC, não há atalhos para que o País atinja o crescimento sustentável. "Não existe um caminho em que os países possam prescindir do equilíbrio macroeconômico", disse. Para Torós, o custo de medidas irresponsáveis desse ponto de vista pode demorar, mas sempre aparece.

Ainda segundo Torós, a história diz que o mercado tem sido mais competente para determinar a taxa de câmbio do que as várias políticas adotadas no passado. "No passado, já flertamos com medidas heterodoxas e o resultado foi mais inflação, estagnação e quebra de contratos", observou.

O diretor do BC participou hoje da apresentação do Brazil Excellence in Securities Transactions (Best), iniciativa de várias entidades do mercado que tem por objetivo promover o Brasil nos mercados internacionais.