As 204 obras da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) em andamento no Paraná mantêm 14.056 empregos diretos em todas as regiões do Estado. São engenheiros, mestres de obra, pedreiros, carpinteiros, eletricistas, projetistas e técnicos de diversas áreas que trabalham na implantação e na ampliação dos sistemas de água e de esgoto em municípios do Estado. Somados os indiretos — aqueles criados pelos fornecedores de produtos, serviços e materiais para as obras —, o número chega a 75.980 empregos gerados, só em 2011.

Casado, pai de três filhos, o assentador de tubulação Amilton Junior dos Santos, de 30 anos, estava desempregado e, em 2009, começou a trabalhar na construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Vassoural, em Guarapuava. Hoje, trabalha na obra do coletor-tronco Norte-Sul, rede coletora de esgoto de grande porte que a Sanepar constroi na cidade. “Deixo meus filhos na escola particular e fico mais tranquilo. Antes, não dava, não tinha como”, diz Amilton.

Em Londrina, a construção da ETE Esperança criou 200 vagas de trabalho. Com início em março de 2010 e previsão de ser concluída até o final de 2011, a obra está recebendo investimentos de R$ 11,6 milhões e será responsável pelo tratamento de esgoto da Bacia do Esperança, na Região Sul de Londrina.

Responsável pela limpeza do escritório e pelo cafezinho, Marlene da Silva Alves, de 53 anos, é a única mulher nessa obra da ETE. Está neste emprego desde o início, há um ano e quatro meses. “Estou gostando muito. Eles pagam direitinho, nunca atrasaram o salário e ainda recebo vale-alimentação”, diz Marlene. “Esta renda é fundamental para mim. Eu estava há mais de ano sem registro em carteira até ser contratada pela construtora”.

Em Maringá, onde estão sendo implantados 29,4 mil metros de rede coletora de esgoto e 1.500 ligações prediais em seis bairros, Jair Roberto Custódio, 50 anos, também conseguiu trabalho. Ele não pensou duas vezes para mudar de profissão. Até o ano passado, trabalhava no ramo de sacaria, em Altônia. Há um ano e meio foi contratado como servente de pedreiro para atuar na obra de ampliação, em Maringá. A partir daí, Custódio conta que tudo melhorou. “Além de ganhar mais, tenho mais segurança, porque agora trabalho com carteira assinada. O serviço é pesado, mas me sinto muito valorizado e feliz pelo que faço”, avalia. A Sanepar está investindo R$3,5 milhões neste empreendimento.

Em Foz do Iguaçu, um dos beneficiados com emprego é o pedreiro Gilmar Urbano de Moraes. Antes de trabalhar para empreiteira da Sanepar era autônomo. Para ele, que é casado e tem filhos, a segurança em trabalhar com carteira assinada e com salário fixo, tem contribuído para o sustento da família. “Nestes 10 meses tenho mais segurança. Antes um dia a gente tinha trabalho, no outro não. Agora está muito melhor”, disse.

O auxiliar de produção Juliano Salvador está trabalhando há três meses nas obras da Sanepar, o emprego ajuda a alimentar um sonho. Com 20 anos, ele está economizando para comprar uma moto. “Antes trabalhava por dia e nunca sobrava dinheiro, agora, com emprego fixo e carteira assinada, consigo pagar a prestação do consórcio da moto”, diz.

Juliano e Gilmar trabalham na obra de ampliação do sistema de esgoto na Região Norte, que começou em agosto do ano passado e já está com 83% concluída. Com investimentos de R$ 2,8 milhões, até o final deste ano, serão finalizados os 37,2 km de rede coletora e implantadas mais de duas mil ligações nos bairros Jaqueline, Nacional, Canadá, Tibagi e Dourados.

Novos mercados

Criada em 23 de janeiro de 1963, a Sanepar se aproxima do cinquentenário como uma das maiores e mais eficientes empresas do setor de saneamento do País, preparando-se para ampliar sua participação de mercado e a qualidade de seus serviços. A companhia atende 344 dos 399 municípios do Paraná, além de Porto União em Santa Catarina e 281 distritos ou localidades de menor porte. Nas regiões em que atua, a Sanepar atende com água tratada 9 milhões de pessoas e, com sistema de esgotamento sanitário, 5,4 milhões de pessoas. Até 2014, a empresa prevê investir cerca de R$ 2 bilhões em todo o Estado.

Para crescer, a Sanepar atuará em três frentes: qualificação permanente de seus empregados, trabalho integrado com secretarias e órgãos do Estado e busca de novos mercados. Um dos novos mercados nos quais a empresa pretende ampliar sua participação é o da coleta e destinação de lixo dos municípios.

Em Cianorte, a Sanepar implantou uma solução regionalizada para a destinação de resíduos sólidos, que atende também aos municípios de Terra Boa e São Tomé. “Temos todas as condições de crescer também nesse mercado, numa atividade complementar aos serviços que já prestamos”, avalia o presidente da empresa, Fernando Ghignone.