A Nissan, em resposta à manifestação de trabalhadores ocorrida no Centro do Rio, pela manhã desta quinta-feira, afirmou que “respeita as leis trabalhistas” e mantém contato com sindicatos nas localidades onde estão instaladas suas fábricas, no mundo todo. A acusação contra a empresa é de perseguição a sindicalistas do Mississipi, nos Estados Unidos, e submissão dos funcionários do Estado norte-americano a condições desumanas de trabalho.

Representantes da CUT e da Força Sindical promoveram o protesto contra a empresa em frente à sede do comitê organizador dos Jogos Olímpicos, o Rio 2016, com o argumento de que uma patrocinadora das Olimpíadas não deveria desrespeitar as leis trabalhistas. A manifestação foi convocada pelo sindicato do setor automobilístico nos Estados Unidos, o UAW.

Em nota, a empresa afirmou que “oferece excelentes benefícios, um ambiente de trabalho que ultrapassa os parâmetros definidos pela indústria”.