Rio

  – Os supermercados estão agora mais confiantes na recuperação das vendas no período do Natal. Mas a maioria preferiu não enfrentar o peso da alta do dólar e comprou 20% menos de artigos importados para a ceia. A razão é simples: considerando os aumentos nas zonas de produção, em dólar, os produtos chegarão às lojas a preços até 84% mais altos. É o caso do figo da Turquia, que já foi vendido a R$ 1,90 e custará R$ 3,50 (250g) este ano.

As frutas secas começarão a chegar às prateleiras no fim deste mês mas não deverão animar os consumidores a antecipar as compras. As castanhas portuguesas deverão ser oferecidas ao preço de R$ 15,60 (44% mais caras). Já as nozes e amêndoas ficarão 37% mais caras, carregando apenas o peso da desvalorização do real, já que as cotações baixaram 20% nos EUA.

Dos produtos tradicionais da ceia já encontrados nos supermercados, o que mais motiva reclamações das donas de casa é o bacalhau. O tipo Porto codinho ficou 66% mais caro e está saindo por R$ 49,90, em média, nos supermercados do Rio. Os tipos melhores são vendidos por até R$ 79,90 no mercado da Praça Quinze, na Barra.

? O bacalhau é prato para ocasiões especiais. Só gostaria de saber uma coisa: se o dólar cair até o Natal, as lojas vão baixar também os preços? ? indaga a professora aposentada Maria de Souza Amaral, que, no Mundial, aproveitava uma promoção para levar para casa o peixe.

? Só vou levar porque é uma tradição da família. Mas outros produtos importados da ceia só entrarão na mesa como enfeite.

Os panetones também já estão chegando, mas por enquanto, só despertam curiosidade. Ao ver o preço de R$ 12,47 da marca Bauducco, a recepcionista Luciana da Silva, disse que ainda vai pensar se comprará, pelo menos, para a ceia de Natal da família

? Costumava comprar dois ou três. Mas este ano enfrentamos aumentos absurdos dos produtos básicos. Com isto, vamos ter que economizar na ceia natalina. O desafio maior será os brinquedos das crianças. Todos estão muito caros.

O presidente da Associação dos Supermercados do Rio (Asserj), Aylton Fornari, admitiu que o estoque de importados já vinha caindo e este ano será ainda menor por causa do dólar. Os cortes devem variar de 20% a 50%, dependendo do produto. No caso do bacalhau, diz ele, o preço sofreu anda o imposto maior.

? A opção será o produto nacional. Mas também o peru e pernil estarão mais caros por causa do aumento da ração, sobretudo do milho.

Certo de que o dólar pressionará menos, o diretor do Mundial, Manoel Leite, manteve o estoque do Natal de 2001. E no caso das indústrias nacionais, pensa em negociar até um pouco mais.

? O consumidor vai acabar comprando. Mas se o dólar baixar, teremos promoções.